domingo, dezembro 30

- FELIZ ANO NOVO -






Foi-se embora mais um ano, 12 meses, mais de 300 dias em que pagamos contas e procuramos lugar pra estacionar.
Um ano a mais de experiências vividas, um ano a menos de juventude. Um ano a mais de filmes de que gostamos, trabalhos que nos frustraram e pessoas com quem convivemos menos do que gostaríamos.
Tempo consumido em chopes, estradas, telefonemas, suor, tevê e cama. Você envelheceu ou cresceu este ano?
Envelhecemos sentados no sofá, envelhecemos ao viciar-nos na rotina, envelhecemos criando os filhos da mesma forma como fomos criados, sem levar em conta algumas novas necessidades, outras formas de ser feliz.
Envelhecemos passando creme anti-rugas no rosto antes de dormir, envelhecemos malhando numa academia, envelhecemos nos queixando da tarifa do condomínio e achando que todo mundo é estúpido, menos nós.
Envelhecemos porque envelhecer é mais fácil do que crescer. Crescer requer esforço mental. Obriga a tomadas de consciência. Exige mudanças.
Crescer é a anti-repetição de idéias, é a predisposição para o deslumbramento, é assumir as responsabilidades por todos os nossos atos, os bem pensados e os insanos.
Crescer dá uma fisgada diária no peito, embrulha o estômago, tem efeitos colaterais. Machuca. Envelhecer não machuca.
Envelhecer é manso, sereno.
Envelhecer é uma apatia, um não-desempenho, um deixa pra lá, vamos ver o que acontece. O que acontece é que você fica mais velho e se considerando tão sábio quanto era anos atrás, anos que se passaram iguais, sabedoria que não se renovou.
Crescer custa, demora, esfola, mas compensa.
É uma vitória secreta, sem testemunhas.
O adversário somos nós mesmos, e o prêmio é o tempo a nosso favor.
*Martha Madeiros*

- A FAXINA -


Estava precisando fazer uma faxina em mim. 
Jogar fora alguns pensamentos indesejados.
Tirar o pó de uns sonhos, lavar alguns desejos que estavam enferrujando. 
Tirei do fundo das gavetas, lembranças que não uso e não quero mais. 
Joguei fora ilusões, papéis de presente que nunca usei, sorrisos que nunca darei. 
Joguei fora a raiva e o rancor nas flores murchas, guardadas num livro que não li. 
Peguei meus sorrisos futuros e alegrias pretendidas e as coloquei num cantinho, bem arrumadinhas. Fiquei sem paciência! Tirei tudo de dentro do armário e fui jogando no chão: paixões escondidas, desejos reprimidos, palavras horríveis que nunca queria ter dito, mágoas de uma amiga sem gratidão, lembranças de um dia triste. Mas lá havia outras coisas, belas!!! 
Uma lua cor de prata, os abraços, aquela gargalhada no cinema, o primeiro beijo, o pôr do sol, uma noite de amor . 
Encantada e me distraindo, fiquei olhando aquelas lembranças. 
Sentei no chão, joguei direto no saco de lixo os restos de um amor que me magoou. Peguei as palavras de raiva e de dor que estavam na prateleira de cima - pois quase não as uso - e também joguei fora! 
Outras coisas que ainda me magoam, coloquei num canto para depois ver o que fazer, se as esqueço ou se vão para o lixo. 
Revirei aquela gaveta onde se guarda tudo de importante: amor, alegria, sorrisos, fé. 
Como foi bom!!! 
Recolhi com carinho o amor encontrado, dobrei direitinho os desejos, 
perfumei na esperança, passei um paninho nas minhas metas e deixei-as à mostra. 
Coloquei nas gavetas de baixo lembranças da infância; 
em cima, as de minha juventude, e pendurado bem à minha frente, 
coloquei a minha capacidade de amar e de recomeçar. 
*Martha Medeiros* 


domingo, novembro 25

- ÀS VEZES É PRECISO MUDAR -




"Às vezes é preciso aprender a perder, a ouvir e não responder, a falar sem nada dizer, a esconder o que mais queremos mostrar, a dar sem receber, sem cobrar, sem reclamar.

Às vezes é preciso respirar fundo e esperar que o tempo nos indique o momento certo para falar e então alinhar as ideias, usar a cabeça e esquecer o coração, dizer tudo o que se tem para dizer, não ter medo de dizer não, não esquecer nenhuma ideia, nenhum pormenor, deixar tudo bem claro em cima da mesa para que não restem dúvidas e não duvidar nunca daquilo que estamos a dizer. E mesmo que a voz trema por dentro, há que fazê-la sair firme e serena, e mesmo que se ouça o coração bater desordenadamente fora do peito é preciso domá-lo, acalmá-lo, ordenar-lhe que bata mais devagar e faça menos alarido, e esperar, esperar que ele obedeça, que se esqueça, apagar-lhe a memória, o desejo, a saudade, a vontade.

Às vezes é preciso partir antes do tempo, dizer aquilo que se teme dizer, arrumar a casa e a cabeça, limpar a alma e prepará-la para um futuro incerto, acreditar que esse futuro é bom e afinal já está perto, apertar as mãos uma contra a outra e rezar a um deus qualquer que nos dê força e serenidade. Pensar que o tempo está a nosso favor, que o destino e as circunstâncias se encarregarão de atenuar a nossa dor e de a transformar numa recordação tênue e fechada num passado sem retorno que teve o seu tempo e a sua época e que um dia também teve o seu fim.

Às vezes mais vale desistir do que insistir, esquecer do que querer, arrumar do que cultivar, anular do que desejar. No ar ficará para sempre a dúvida se fizemos bem, mas pelo menos temos a paz de ter feito aquilo que devia ser feito, somos outra vez donos da nossa vida e tudo é outra vez mais fácil, mais simples, mais leve, melhor.

Às vezes é preciso mudar o que parece não ter solução, deitar tudo abaixo para voltar a construir do zero, bater com a porta e apanhar o último comboio no derradeiro momento e sem olhar para trás, abrir a janela e jogar tudo borda fora, queimar cartas e fotografias, esquecer a voz e o cheiro, as mãos e a cor da pele, apagar a memória sem medo de a perder para sempre, esquecer tudo, cada momento, cada minuto, cada passo e cada palavra, cada promessa e cada desilusão, atirar com tudo para dentro de uma gaveta e deitar a chave fora, ou então pedir a alguém que guarde tudo num cofre e que a seguir esqueça o segredo.

Às vezes é preciso saber renunciar, não aceitar, não cooperar, não ouvir nem contemporizar, não pedir nem dar, não aceitar sem participar, sair pela porta da frente sem a fechar, pedir silêncio e paz e sossego, sem dor, sem tristeza e sem medo de partir. E partir para outro mundo, para outro lugar, mesmo quando o que mais queremos é ficar, permanecer, construir, investir, amar.

Porque quem parte é quem sabe para onde vai, quem escolhe o seu caminho e mesmo que não haja caminho porque o caminho se faz a andar, o sol, o vento, o céu e o cheiro do mar são os nossos guias, a única companhia, a certeza que fizemos bem e que não podia ser de outra maneira. Quem fica, fica a ver, a pensar, a meditar, a lembrar. Até se conformar e um dia então esquecer."
*Margarida Rebelo Pinto*

segunda-feira, novembro 19

- AMOR SEM LIMITES -




"Há os que amaram uma vez em silêncio, sem se declararem, e trazem dentro do peito essa granada que não foi detonada. Há os que se declararam e foram rejeitados, e a granada estraçalhou tudo por dentro, mesmo que ninguém tenha notado. E há os que viveram amores ardentes, explosivos, computando vitórias e derrotas diárias: saem com talhos na alma, porém mais fortes do que antes. " (Martha Medeiros)




 "Solto-me em brasas percorrendo seu corpo,  sedenta de você, grito seu nome.
 Sinto no céu da minha boca, 
seu beijo iluminando minha noite,
 e estremeço nesse desejo enorme
 que toma meu corpo deixando-me louca.
Vibra meu corpo, somem meus sentidos,
 viro estrela em constelações inexistentes.
 Nesse momento, faço-me sua,
 dou-lhe da vida que canta em mim
 em acordes de harmonia, o sol se faz presente e toca minha pele iluminando a noite escura.

Sou vida onde você é luz
que toca meu corpo, ponto a ponto, fazendo-me feliz.
Nesse momento, as areias do tempo seguro em minhas mãos,
somos eu e você possuindo o universo inteiro
e vejo-me sua, abrigo que sempre quis,
amor sem limites que toca minha alma com tamanha paixão."



domingo, novembro 18

- FRAGMENTOS -

 
"Quando você encontrar a outra metade da sua alma, você vai entender porque todos os outros amores deixaram você ir. Quando você encontrar a pessoa que realmente merece o seu coração, você vai entender porque as coisas não funcionaram com todos os outros.”

 
 
 
"Todas as palavras tomadas literalmente são falsas. A verdade mora no silêncio que existe em volta das palavras. Prestar atenção ao que não foi dito, ler as entrelinhas. A atenção flutua: toca as palavras sem ser por elas enfeitiçada. Cuidado com a sedução da clareza! Cuidado com o engano do óbvio!"

 
 
 
 
 
“Compreendi que a vida não é uma sonata que, para realizar sua beleza, tem que ser tocada até o fim. Dei-me conta, ao contrário, de que a vida é um álbum de minissonatas. Cada momento de beleza vivido e amado, por efêmero que seja, é uma experiência completa que está destinada à eternidade.
Um único momento de beleza e de amor justifica a vida inteira.”
 
 
 
 
 
"As pérolas são feridas curadas,
 são produtos da dor,
 resultado da entrada de uma substância
 estranha ou indesejável no interior da ostra,
 como um parasita ou um grão de areia.
 A parte interna da concha de uma ostra
 é uma substância lustrosa chamada nácar.
 Quando um grão de areia penetra,
 as células do nácar começam a trabalhar
 e cobrem o grão de areia com camadas e mais camadas
 para proteger o corpo indefeso da ostra.
 Como resultado, uma linda pérola é formada.
 Uma ostra que não foi ferida de algum modo,
 não produz pérolas,
 pois a pérola é uma ferida cicatrizada.
 Você já se sentiu ferido pelas palavras rudes de um amigo?
 Já foi acusado de ter dito coisas que não disse?
 Suas idéias já foram rejeitadas, ou mal interpretadas?
 Você já sofreu os duros golpes do preconceito?
 Já recebeu o troco da indiferença?
 Então, produza uma pérola !!!
 Cubra suas mágoas com várias camadas de amor.
 Infelizmente são poucas as pessoas
 que se interessam por esse tipo de movimento.
 A maioria aprende apenas a cultivar ressentimentos,
 deixando as feridas abertas,
 alimentando-as com vários tipos de sentimentos pequenos e,
 portanto não permitindo que cicatrizem.
 Assim, na prática, o que vemos são muitas “ostras” vazias,
 não porque não tenham sido feridas,
 mas porque não souberam perdoar,
 compreender e transformar a dor em amor."
*Rubem Alves*

sábado, novembro 17

- CORPO FEMININO -



"Não importa o quanto pesa. É fascinante tocar, abraçar e acariciar o corpo de uma mulher. Saber seu peso não nos proporciona nenhuma emoção.
Não temos a menor idéia de qual seja seu manequim. Nossa avaliação é visual, isso quer dizer, se tem forma de guitarra, está bem. Não nos importa quanto medem em centímetros – é uma questão de proporções, não de medidas.

As proporções ideais do corpo de uma mulher são: curvilíneas, cheinhas, femininas. Essa classe de corpo que, sem dúvida, se nota numa fração de segundo. As magrinhas, que desfilam nas passarelas, seguem a tendência desenhada por estilistas que, diga-se de passagem, são todos gays e odeiam as mulheres e com elas competem. Suas modas são retas e sem formas e agridem o corpo que eles odeiam porque não podem tê-los.

Não há beleza mais irresistível na mulher do que a feminilidade e a doçura. A elegância e o bom trato, são equivalentes a mil viagras.

A maquiagem foi inventada para que as mulheres a usem. Usem! Para andar de cara lavada, basta a nossa. Os cabelos, quanto mais tratados, melhor.

As saias foram inventadas para mostrar suas magníficas pernas; por que razão as cobrem com calças longas? Para que as confundam conosco? Uma onda é uma onda, as cadeiras são cadeiras e pronto.

Se a natureza lhes deu estas formas curvilíneas, foi por alguma razão e eu reitero: Nós gostamos assim. Ocultar essas formas, é como ter o melhor sofá embalado no sótão.

É essa a lei da natureza... que todo aquele que se casa com uma modelo magra, anoréxica, bulêmica e nervosa logo procura uma amante cheinha, simpática, tranquila e cheia de saúde.

Entendam de uma vez! Tratem de agradar a nós e não a vocês porque nunca terão uma referência objetiva, do quanto são lindas, dita por uma mulher.

Nenhuma mulher vai reconhecer jamais, diante de um homem, com sinceridade, que outra mulher é linda. As jovens são lindas, mas as de 40 para cima, são verdadeiros pratos fortes. Por tantas delas somos capazes de atravessar o atlântico a nado. O corpo muda, cresce. Não podem pensar, sem ficarem psicóticas, que podem entrar no mesmo vestido que usavam aos 18. Entretanto, uma mulher de 45, na qual entre na roupa que usou aos 18 anos, ou tem problemas de desenvolvimento ou está se auto-destruindo.

Nós gostamos das mulheres que sabem conduzir sua vida com equilíbrio e sabem controlar sua natural tendência a culpas. Ou seja, aquela que, quando tem que comer, come com vontade (a dieta virá em setembro, não antes); quando tem que fazer dieta, faz dieta com vontade, sem sabotagem e sem sofrer; quando tem que ter intimidade com o parceiro, tem com vontade; quando tem que comprar algo que goste, compra; quando tem que economizar, economiza.

Algumas linhas no rosto, algumas cicatrizes no ventre, algumas marcas de estrias não lhes tiram a beleza. São feridas de guerra, testemunhas de que fizeram algo em suas vidas, não tiveram anos 'em formol' nem em spa - viveram! O corpo da mulher é a prova de que Deus existe. É o sagrado recinto da gestação de todos os homens, onde foram alimentados, ninados e nós, sem querer, as enchemos de estrias, de cesárias e demais coisas que tiveram que acontecer para estarmos vivos.
Cuidem-no! Cuidem-se! Amem-se!
A beleza é tudo isto."
*Paulo Coelho*

- DO AMOR....





"Do amor não quero mais a aventura,
quero a companhia.

Já não procuro ilusões e surpresas
se todos os caminhos foram percorridos,
se oblíquo sol da tarde alonga a minha sombra
presa ainda a meus pés, a fugir, para onde?



Quero a compreensão, a tranquila ternura,
a presença melhor depois que amada,
a que sabe ser luz clareando a estrada,
ser aragem na fronte ardente a inquieta;

- alta maré para encobrir escolhos,
ser água para a sede que atormenta,
sombra, quando a luz doer nos olhos.

- A que inteira se dá sem pedir nada
só pela humilde alegria de se dar!

A que é pousada para o amor que vinha
já cansado de tudo e que não tinha
onde ficar.

A que tem mãos felinas, mãos que arranham
infladas de amor,
sem a gente sentir,
mãos que enlaçam, depois, cantam ternuras,
e que emberçam as nossas amarguras
e nos fazem dormir...

A que é mulher, - mar alto, porto e abrigo –
a que fica a nossa espera,
a que se pode voltar a qualquer hora...
A que sabe perdoar nossos pecados
nossos marinheiros desejos desgarrados
e não nos mandam embora...


Do amor não quero mais a aventura
quero a companhia:
a que depois do beijo
me dará a mão,
a que será minha - à noite se entregará
sem pejo -
e impoluída e pura,
continuará comigo, com a mesma ternura
no coração...

Quero a doce, a permanente companhia ...
A que depois da noite
é o meu dia,
e, com o braço em meu braço
há de acertar seu passo
na mesma direção..."
*JG de Araujo Jorge*

segunda-feira, novembro 5

- FICA! SÓ FICA! -


Fica. Fica hoje, fica amanhã, fica depois de amanhã.
Fica semana que vem, mês que vem, ano que vem.
Fica para a próxima pascoa, para o próximo feriado, para o próximo natal.
Fica para o ano novo. Fica para daqui a dois anos.
 Fica para daqui dez, vinte, trinta, cinquenta anos. Só fica.
*Sociedade dos Poetas Mortos*
 
 
 
 
 

- ALMAS PERFUMADAS -



Tem gente que tem cheiro de passarinho quando canta. De sol quando acorda. De flor quando ri. Ao lado delas, a gente se sente no balanço de uma rede que dança gostoso numa tarde grande, sem relógio e sem agenda. Ao lado delas, a gente se sente comendo pipoca na praça. Lambuzando o queixo de sorvete. Melando os dedos com algodão doce da cor mais doce que tem para escolher. O tempo é outro. E a vida fica com a cara que ela tem de verdade, mas que a gente desaprende de ver.

Tem gente que tem cheiro de colo de Deus. De banho de mar quando a água é quente e o céu é azul. Ao lado delas, a gente sabe que os anjos existem e que alguns são invisíveis. Ao lado delas, a gente se sente chegando em casa e trocando o salto pelo chinelo. Sonhando a maior tolice do mundo com o gozo de quem não liga para isso. Ao lado delas, pode ser Abril, mas parece manhã de Natal, do tempo em que a gente acordava e encontrava o presente do Papai Noel.

Tem gente que tem cheiro das estrelas que Deus acendeu no céu e daquelas que conseguimos acender na Terra. Ao lado delas, a gente não acha que o amor é possível, a gente tem certeza. Ao lado delas, a gente se sente visitando um lugar feito de alegria. Recebendo um buquê de carinhos. Abraçando um filhote de urso panda. Tocando com os olhos os olhos da paz. Ao lado delas, saboreamos a delícia do toque suave de sua presença soprando nosso coração.

Tem gente que tem cheiro de cafuné sem pressa. Do brinquedo que a gente não largava. Do acalanto que o silêncio canta. De passeio no jardim. Ao lado delas, a gente percebe que a sensualidade é um perfume que vem de dentro e que a atração que realmente nos move não passa só pelo corpo. Corre em outras veias. Pulsa em outro lugar. Ao lado delas, a gente lembra que no instante em que rimos Deus está conosco, juntinho ao nosso lado. E a gente ri grande que nem menino arteiro.

Tem gente como você que nem percebe como tem a alma Perfumada! E que esse perfume é dom de Deus. (Carlos Drummond de Andrade)



- MOMENTOS -


 
Gaste seu amor. Usufrua-o até o fim. Enfrente os bons e os maus momentos, passe por tudo que tiver que passar, não se economize. Sinta todos os sabores que o amor tem, desde o adocicado do início até o amargo do fim, mas não saia da história na metade. Amores precisam dar a volta ao redor de si mesmo, fechando o próprio ciclo. Isso é que libera a gente para ser feliz de novo.
 *Martha Medeiros*




É exatamente disso que a vida é feita, de momentos.
 Momentos que temos que passar, sendo bons ou ruins, para o nosso próprio aprendizado.
 Nunca esquecendo do mais importante: Nada nessa vida é por acaso.
 Absolutamente nada. Por isso, temos que nos preocupar em fazer a nossa parte, da melhor forma possível.
 A vida nem sempre segue a nossa vontade, mas ela é perfeita naquilo que tem que ser.
 *
Chico Xavier*

 

domingo, novembro 4


 
"Que eu não perca a vontade de amar as pessoas, mesmo sabendo que muitas delas são incapazes de ver, reconhecer e retribuir este sentimento."

 

 
 
 
"O TEMPO deixa perguntas, mostra respostas, esclarece dúvidas, mas acima de tudo o TEMPO traz verdades."


domingo, outubro 28

- A TUA VOZ DE PRIMAVERA -





Manto de seda azul, o céu reflete 
Quanta alegria na minha alma vai! 
Tenho os meus lábios úmidos: tomai 
A flor e o mel que a vida nos promete!

Sinfonia de luz meu corpo não repete 
O ritmo e a cor dum mesmo desejo… olhai! 
Iguala o sol que sempre às ondas cai, 
Sem que a visão dos poentes se complete!

Meus pequeninos seios cor-de-rosa, 
Se os roça ou prende a tua mão nervosa, 
Têm a firmeza elástica dos gamos…

Para os teus beijos, sensual, flori! 
E amendoeira em flor, só ofereço os ramos, 
Só me exalto e sou linda para ti!
*Florbela Espanca*



domingo, outubro 21

- O FILÓSOFO BOÊMIO -



"Certa feita, um filósofo levado por grande curiosidade, resolvera pessoalmente conduzir uma pesquisa em que pudesse compreender o motivo pelo qual os boêmios apaixonam-se pela noite.


Chegando a um dos muitos recantos de encontro dos aficionados da boemia, senta-se em um canto de onde pudesse mais facilmente apreciar o movimento dos clientes daquele recinto. Após acomodar-se devidamente, chama pelo garçom iniciando um pequeno diálogo. Feita a apresentação, descreve em rápidas palavras o motivo que o levara a estar ali naquele presente momento, dando assim início á conversação. 

- Meu caro, gostaria que o amigo explicasse o que é ser boêmio.

Responde-lhe o garçom.

-Ser boêmio é um estado de espírito, trabalha-se as emoções no que se tem de mais bonito. Ser boêmio, é ser amante da poesia, da música, de um bom papo, é viver com alegria. Ser boêmio é entender a alma da lua, abraçar-se ao espírito da noite, enamorar-se com a madrugada, vibrar em cada acorde dos violões nos belos cantos de serenata.

-Ser boêmio é despojar-se da tristeza, é admirar a sensualidade da mulher na beleza de sua feminilidade.

-Ser boêmio é cultivar o samba-canção, o fox, o bolero, é fazer da dança um credo, cantar a esperança, aguardando com alegria o alvorecer que contagia na chegada de mais um novo dia, para o abraço do sol em plena harmonia.


-Isto, meu prezado companheiro, é ser boêmio.

O filósofo, agora mais à vontade demonstrando estar satisfeito com a explicação, olha para o garçom prosseguindo o diálogo.

- Quero, meu caro, desde agora compreender o espírito do boêmio colocando-me à disposição desta experiência. Para iniciarmos, sirva-me um copo e uma cerveja, traga-me também um martini com uma cereja para que, se alguma dama de mim se aproximar, possa em minha mesa se aconchegar e desfrutar o doce aroma deste lugar. Peça aos músicos por gentileza que toquem a música 'Um tango pra Tereza'.

-Garçom, estou satisfeito. Se for me dado o privilégio, gostaria de a esta casa me associar, para que sempre que puder, aqui o meu tédio possa matar. 

-Para a minha vida insípida e sem mistérios, descobri agora o remédio. Meu caro garçom, obrigado. Não vejo mais motivo, para que em minha alma possa abrigar tanto tédio." (Blog: KAZADOPOETA - Adyr Pacheco) 



sábado, outubro 13

- INSENSATEZ -


 

"Dá um medo danado de não dar certo, de se perder no tempo da distância, desse mundo corrido e acabar com nossa felicidade.
Mas amar nunca foi um jogo fácil, será sempre cheio de riscos, de saudades, de medos.
Porém, vale tanto a pena que desistir deixa de ser uma opção."


"E mesmo que consigamos obedecer apenas aos nossos instintos mais naturais, com toda a liberdade que isso implica, ainda assim pagaremos um tributo ao sofrimento, simplesmente porque viver, seja da maneira que for, nunca é fácil."


"Meu mundo se resume a palavras que me perfuram, a canções que me comovem, a paixões que já nem lembro, a perguntas sem respostas, a respostas que não me servem, à constante perseguição do que ainda não sei. "


"A infidelidade é praticada por quase todo mundo, mas quase todo mundo mesmo, homens e mulheres, jovens e anciões, ricos e pobres, todos mantendo as aparências e as carinhas de anjo. Rola muita lágrima entre quatro paredes, muita dor, decepção, ciúme, mentira, sem falar dos gravadores escondidos embaixo da cama. É um fantasma que assombra todos os lares. Pelo menos uma vez na vida alguém já pulou a tal cerca ou pensou em fazê-lo. E o prazer e a culpa que se entendam."


"Se ele ou ela não te quer mais, não force a barra. O outro tem o direito de não te querer. Não lute, não ligue, não dê pití. Se a pessoa está com dúvida, problema dela, cabe a você esperar ou não. Existe gente que precisa da ausência para querer a presença."

"Ficar bonitinha, muitas conseguem, mas ter ALGO é para poucas."

 

sexta-feira, outubro 12

- TERNURA -


"Outro dia li um trechinho de um livro que falava sobre a ternura.
Acho linda essa palavra... ternura. O sentimento, então, é dos mais preciosos. Quando penso em ternura penso em cuidado, penso em carinho, penso em filhotes. Filhotes de homem ou de bichos nos fazem sentir ternura, talvez porque quando estamos com um filhote podemos abrir mão das armaduras que usamos no nosso dia-a-dia. Não precisamos nos defender de um filhote - que alívio (!) - podemos simplesmente ficar lá e ser quem somos.


E somos ternos em nossa essência, todos nós. (Até você que pode estar achando este texto um tanto brega, até você é terno, eu sei que é!).
Perder a ternura é, a meu ver, coisa das mais graves. É perder a capacidade de ser afetuoso, é perder a capacidade de sentir compaixão, é prender a borboleta a um quadro com um alfinete, é endurecer o coração. Nunca deixe algo assim acontecer a você, não importa o que esteja vivendo.

Talvez, vez ou outra na vida, você se esconda do mundo ou das pessoas para se proteger. Mas nunca se esqueça de sua verdadeira natureza. E confie que a vida, doadora que é, sempre colocará em seu caminho um ou outro sinal que o ajudarão a recuperar a memória. Basta estar atento. Caminhe decidido pela vida se assim desejar, mas nunca deixe de olhar ao redor. Procure pelos macaquinhos, pelos pica-paus, pelos esquilos, pelas pitangas, amoras e jabuticabas. Não exercite apenas as pernas, ligue para um amigo querido de vez em quando só para exercitar a ternura em você.

Sorria mais vezes, fique atento aos pequenos e singelos gestos da vida. "
 

quarta-feira, outubro 10

- NINGUÉM DISSE QUE ERA FÁCIL -






Hoje acordei inteira.
Migalhas? Pedaços? Não, obrigada.
Não gosto de nada que seja metade. Não gosto de meio termo.
Gosto de extremos. Gosto do frio. Gosto do quente.
Gosto dos dedinhos dos pés congelados ou do calor que me faz suar o cabelo.
Não gosto do morno. Não gosto de temperatura ambiente. Na verdade eu quero tudo. Ou quero nada. Por favor, nada de pouco quando o mundo é meu.
Não sei sentir em doses homeopáticas.
Sempre fui daquelas que falam "eu te amo" primeiro.
Sempre fui daquelas que vão embora sem olhar para trás.
Sempre dei a cara a tapa. Sempre preferi o certo ao duvidoso.
Quero que se alguém estiver comigo, que esteja.
Mesmo que seja só naquele momento. Mesmo que mude de idéia no dia seguinte.
(Fernanda Mello)


 

domingo, outubro 7

- ÀS VEZES, PRECISAMOS... -



"Às vezes precisamos chorar e sofrer,
para nos lembrar quais foram os nossos momentos de alegria
e quais são as pessoas que nos fazem sorrir.

Às vezes precisamos pisar no espinho,
para que da próxima vez ao caminhar olhemos para o chão.

Precisamos nos aborrecer, para descobrir o que mais nos irrita.

Às vezes precisamos adoecer,
para perceber que não estávamos cuidando muito bem de nossa saúde.

Na vida, às vezes, é necessário acontecer altos e baixos,
para que possamos entender o que nos deixa fraco e o que nos deixa forte.

Às vezes, precisamos cair para notar o que realmente nos segurava.

Precisamos perder uma eternidade,
para descobrir um segundo de vida, amor e felicidade!"

sábado, outubro 6

- VOCÊ É ÚNICA -



"Meu mundo se resume a palavras que me perfuram, a canções que me comovem, a paixões que já nem lembro, a perguntas sem respostas, a respostas que não me servem, à constante perseguição do que ainda não sei. "


 

"Sou uma mulher madura
 Que às vezes anda de balanço
 Sou uma criança insegura
 Que às vezes usa salto alto
 Sou uma mulher que balança
Sou uma criança que atura."

*.*

"Uma mordidinha para sentir o gosto
Um cheirinho para sentir o perfume
Um beijinho rápido, uma ilusãozinha
A quantos basta uma amostra grátis
Não consigo molhar os pés apenas
Eu mergulho e só paro quando me afogo
Eu me queimo e só paro quando derreto
Eu me jogo e só paro quando me param."





"Te desafio deixar-me ser sua, a verdadeira e única
Prometo que sou merecedora do teu abraço.
Por isso me dê uma chance,
Para provar que eu sou a única que pode fazer
Essa caminhada,
Até o fim começar."



"Todo dia, ao levantar da cama, eu procuro me lembrar: dá pra escolher. Não temos controle sobre tudo, mas dá pra escolher entre ter amigos ou viver recluso, dá pra escolher entre privilegiar um amor ou ter vários casos 
superficiais, dá pra escolher entre levar a vida com bom-humor ou levar a vida na ponta da faca. Se a escolha será acertada, aí já é outro assunto, o futuro vai dizer." (Aprendendo com Martha Medeiros)

- TARDE DEMAIS PARA SABER -



Outro dia um homem me escreveu uma carta comovente. Dizia ter vivido 12 anos ao lado de uma mulher. Excetuando-se aquele período de paixão que caracteriza todo início de relacionamento, o resto do tempo que passaram juntos foi pouco estimulante. Almoçavam juntos, viajavam de vez em quando, transavam regularmente, riam das mesmas piadas, mas a verdade é que ele não prestava muita atenção nela. Havia se acostumado com sua presença. 

Até que um belo dia ela pediu as contas. Arrumou a mala e se foi. Cansou de não ser percebida. E só aí ele caiu em si. Disse-me este senhor que bastou dez minutos longe dela para descobrir o quanto a amava. Durante os 12 anos de convívio, ele estava mais preocupado com as seduções externas: trabalho, futebol, e sim, outras mulheres, ainda que passageiras. Por um erro de avaliação, ele não considerava que aquele almoçar junto, viajar junto, transar e rir das mesmas piadas pudesse ser também chamado de amor. O amor que ele via anunciado nas revistas e o amor que os seus amigos diziam estar vivenciando pareciam muito mais verdadeiros do que aquele amor que ele tinha em casa, desglamourizado, com cenas que pareciam em preto e branco.

"Sou uma besta", ele concluiu. Somos, meu amigo, todos umas bestas. A gente pode estar vivendo uma relação tranquila, satisfatória e afetiva, mas sempre tem a maldita janela nos chamando lá para fora, iludindo a gente de que há algo mais tentador, mais desafiante do que aquilo que temos nas mãos. Como muitos ganhadores de loteria que continuam a jogar, não nos basta o quão rico já estamos: queremos mais. E de olho no futuro, desprezamos o que temos de melhor, o presente. Eu já recebi cartas contendo problemas bem mais escabrosos, mas não minimizei a tristeza deste homem, pois sei como é duro descobrir tarde demais que se ama alguém. Além da dor da saudade, tem a dor de ter sido estúpido. Damos valor às pessoas apenas quando elas não estão mais por perto, os velórios chorosos estão aí para provar. Até inimigo sai falando bem do morto. Só que o morto já não pode escutar. Este homem não teve sua mulher de volta. Decidida, ela tomou seu rumo. "O que faço agora?" ele me pergunta. Sofra, meu caro. O sofrimento é a melhor penitência para não reincidir no erro. E da próxima vez, saia um pouco da janela. (https://www.facebook.com/#!/AprendendoComMarthaMedeiros?fref=ts)

sábado, setembro 29

- É PRECISO RESPEITAR O PRÓPRIO TEMPO -







"Eu sei pouca coisa da vida, mas uma frase eu sigo à risca: é preciso respeitar o próprio tempo. E eu respeito! Acredito no que diz o silêncio na hora em que a mente cala. E meu silêncio - que não é mudo e também escreve - dita com voz desafiante: Confie em si mesma. Quebre a rigidez. Ouse. Brinque."

sábado, setembro 22

- É PRIMAVERA -




Metamorfose dos encantos
Encaixe dos sentimentos
Delicadezas se ondulam em flores
Nas asas da imaginação
Seu sorriso, meu disfarce
Me perco no equinócio do seu florescer
Num canto bem adubado do meu coração
Outra semente germina
Pulula em vida pós-inverno
De begônias e hortênsias
Ornando meu caminhar.
Quem hibernou, involuntário
Ao saltar para a primavera
Encontra suave brisa
A refrescar a tez acalorada febrilmente.
Enfim vitória de uma semente
É primavera chegando
A esperança renascendo
O colorido tingindo
O caminho do passante
Desencasula... para a vida
Desacrisola... para a maturidade
As forças da natureza me deixam e êxtase
Momento de recomeçar
Floreça em mim a primavera de minh'alma
As lágrimas transformem-se em suave brisa
Ou num orvalho manso a regar meu coração...
Estação das flores dentro de mim,
Reaja ao inverno sequioso dos sonhos meus
E brotem novos sonhos
Novas forças,
Nova vontade de sonhar.
Caminho lentamente, mas com firmeza
Esqueço o que doeu
Apago o traço da dor
Aborto a palavra saudade
Construo ruas de felicidade
Onde dançarei a dança da paz
Com o arco-iris a brincar
Ao vento vão os pensamentos
Novos sonhos, novos alentos
O tempo... ah, o tempo!
Meu íntimo confidente,
A primavera me trouxe.
Um dia novo está surgindo
Um sonho novo me envolve
Vida nova...
Saúde...
Paz...
Enfim, a primavera me beija a face.
(Alice Poltronieri).


quinta-feira, setembro 20

- DAS COISAS QUE AMO -


"Das coisas que amo
Algumas tem cheiro
outras apenas imagens
Algumas tem gosto
outras apenas saudades
Algumas tem risos
outras apenas lágrimas...
Das coisas que amo.
Amo inteiro!
Não sei amar metades."


- CONFIA -



Pela manhã antes de dares início ao teu dia.
Consagra os teus corpos
Todo o teu ser
Deposita tudo nas mãos do teu EU Sou
Que habita o núcleo mais profundo de ti
Dedica-lhe alguns minutos
Uma intenção
Agradece tudo o que viveste e tudo o que vai acontecer
Agradece o amor
A Presença
Entrega o teu dia e tudo o que o vier a preencher cada pensamento, cada palavra, cada gesto, toda a manifestação para que tudo provenha desta intenção
Desta Fusão
Deste Encontro matinal
Confia os teus passos
Sabe que a cada instante assistência te será prestada
Que tu serás guiado ao que fazer, que decidir
A estar
Basta que te recolhas ao teu interior
No teu coração
E permitas que Eu habite esse núcleo sagrado
Entrega tudo nas Minhas mãos
Confia
E nada te faltará.
(O Bosque de Berkana)

quarta-feira, setembro 19

- HOJE É TEMPO DE SER FELIZ! -


A vida é fruto da decisão de cada momento.
Talvez seja por isso que a ideia de plantio seja tão reveladora sobre a arte de viver. 
Viver é plantar. É atitude de constante semeadura, de deixar cair na terra de nossa existencia as mais diversas formas de sementes.
Cada escolha, por menor que seja, é uma forma de semente que lançamos sobre o canteiro que somos.
Um dia, tudo o que agora silenciosamente plantamos, ou deixamos plantar em nós, será plantação que poderá ser vista de longe…
Para cada dia, o seu empenho. A sabedoria bíblica nos confirma isso, quando nos diz que "debaixo do céu há um tempo para cada coisa!"
 Hoje, neste tempo que é seu, o futuro está sendo plantado. As escolhas que você procura, os amigos que você cultiva, as leituras que você faz, os valores que você abraça, os amores que você ama, tudo será determinante para a colheita futura.
Felicidade talvez seja isso: alegria de recolher da terra que somos, frutos que sejam agradáveis aos olhos!
Infelicidade, talvez seja o contrário.
O que não podemos perder de vista é que a vida não é real fora do cultivo. Sempre é tempo de lançar sementes… Sempre é tempo de recolher frutos. Tudo ao mesmo tempo. Sementes de ontem, frutos de hoje, Sementes de hoje, frutos de amanhã!
Por isso, não perca de vista o que você anda escolhendo para deixar cair na sua terra. Cuidado com os semeadores que não lhe amam. Eles têm o poder de estragar o resultado de muitas coisas.
Cuidado com os semeadores que você não conhece. Há muita maldade escondida em sorrisos sedutores…
Cuidado com aqueles que deixam cair qualquer coisa sobre você, afinal, você merece muito mais
que qualquer coisa.
Cuidado com os amores passageiros… eles costumam deixar marcas dolorosas que não passam…
Cuidado com os invasores do seu corpo… eles não costumam voltar para ajudar a consertar a desordem…
Cuidado com os olhares de quem não sabe lhe amar… eles costumam lhe fazer esquecer que você vale à pena…
Cuidado com as palavras mentirosas que esparramam por aí… elas costumam estragar o nosso referencial da verdade…
Cuidado com as vozes que insistem em lhe recordar os seus defeitos… elas costumam prejudicar a sua visão sobre si mesmo.
Não tenha medo de se olhar no espelho. É neste rosto que você tem, que Deus resolveu expressar mais uma vez, o amor que Ele tem pelo mundo.
Não desanime de você, ainda que a colheita de hoje não seja muito feliz.
Não coloque um ponto final nas suas esperanças. Ainda há muito o que fazer, ainda há muito o que plantar, e o que amar nessa vida.
Ao invés de ficar parado no que você fez de errado, olhe para frente, e veja o que ainda pode ser feito…
A vida ainda não terminou. E já dizia o poeta "que os sonhos não envelhecem…"
Vai em frente. Sorriso no rosto e firmeza nas decisões. (...)
Pde Fábio de Melo  

segunda-feira, setembro 17

- APRENDI -


"Aprendi que duas pessoas discutindo, não quer dizer que se odeiam. Que duas pessoas felizes, não quer dizer que se amam.
Que o mundo dá voltas e a vida é uma sequência de desafios.
Que algumas feridas saram, outras não.
Que quem vive do passado é museu.
Que quem vive do futuro, não vive, Ssnha.
Que, com a pessoa certa, uma vida é pouco tempo.
Que, com a pessoa errada, um minuto é muito.
Que mesmo acompanhado, ainda posso estar só.
Que caráter vem de berço, não se compra.
Que Amor não se exige, se dá.
Que meus amigos eventualmente vão me machucar, são humanos.
Que um ato pode mudar toda uma vida.
Que nem toda uma vida pode mudar alguns dos nossos atos.
Que o importante para mim não é para outros e isso não é defeito.
Que a decência é uma prática diária.
Que humilhar é a pior das covardias.
Que a capacidade de amar é nata, não depende de terceiros.
Que a beleza está nas boas coisas da vida, até nas mais simples. Que tudo muda para melhor ou para pior, mas muda.
Que nada é para sempre, então aproveite enquanto dure!"



"Quantas vezes tentaram adivinhar o que sentíamos, e erraram. 
Julgaram nossas ações, e erraram.
Tiveram certeza sobre nossos propósitos, erraram.
O que somos de verdade e o que queremos de fato, só nós sabemos. Só nós.
Sós."


“Todo dia é uma ocasião especial.
Guarde apenas o que tem que ser guardado:
lembranças, sorrisos, poemas,
saudades, momentos.”
(Martha Medeiros)

domingo, setembro 16

- ENSINAMENTOS -



"Sentado ao lado do mestre o discípulo enche-se de coragem e pergunta:
- Mestre, qual, realmente, é o tempo para vivermos? 
O sábio Mestre em tom leve e cheio de humildade responde:
- Meu filho, nós seres humanos temos a mania de somar nossa existência ano a ano, mas esquecemos de que também existimos em segundos, horas, dias, semanas e meses e todos somados chega-se aos anos vividos.
Discípulo suspira e deixa uma réplica:
- Mestre, o tempo da nossa existência qual é? 
- Existem pessoas que têm em suas mentes a convicção de que nossa existência se resume tão somente a uma vida, o presente; outras tantas têm e acreditam que viveremos várias vidas, tantas quantas forem necessárias para nossa evolução; outras mais afirmam que viveremos na eternidade, mesmo que já não tenhamos mais vida.
O Mestre para por alguns segundos, olha para o horizonte e pergunta ao discípulo:
- Estás vendo o horizonte?
O discípulo responde afoito:
- Sim, Mestre! Claro!
Você está se vendo neste horizonte?
O discípulo cheio de dúvidas e confuso responde:
- Claro que não!
O Mestre mais uma vez com voz calma, serena, e em sua humildade começa a falar ao discípulo:
- Da mesma forma que pessoas têm a convicção de que nossa existência se resume a uma única vida você também pode não estar no horizonte; mas como outras tantas que acreditam em várias vidas você também pode estar em muitos horizontes que forem apontados; e também da mesma forma que pessoas que afirmam que viveremos na eternidade é notório que se pode afirmar que você está em todos os horizontes que forem apontados mas também naqueles que somente existirão em outro dia ou anos a frente.
Leve sempre consigo amado discípulo: Acreditar e ser praticante do bem são a porta de tudo em nossa existência não importando se nos restam segundos, dias, meses ou anos; não importando ainda se vivermos uma única vida, várias vidas ou vida eterna após nossa partida.
Leve sempre consigo a ampulheta do tempo, não somente para marcar sua existência e comemorá-la todos os anos, mas sim para saber que enquanto o último grão da areia sagrada não cair você terá a oportunidade de acreditar e fazer tudo aquilo que lhe foi permitido, ressaltando que serás lembrado no horizonte do outrem pelas coisas boas que fizestes.
Um silêncio trazendo paz e compreensão caiu naquele momento e permaneceu no horizonte do discípulo."